Apresentador: Diego Barbosa
Autores: Telma Aisengart, Diego Barbosa, Taronish Pithawala, Janaína Gattermann Pereira, Clara Porto, José Luis Ando, Monia Rech

Resumo

Recentemente, a cidade de Pontes e Lacerda tem estado em evidência devido à descoberta de ouro na região e à veiculação de imagens de pepitas. Isso atraiu garimpeiros em busca de ouro e nos motivou a estudar essa área. O estudo foi realizado utilizando dados aerogeofísicos, cedidos pela CPRM, adquiridos a uma altura de 100m em relação ao terreno e linhas de voo com separação de 500m. A área de estudo está localizada na região sudoeste do estado de Mato Grosso, próximo à fronteira com a Bolívia, e corresponde à Folha SD.21-Y-C, 1:250.000, Pontes e Lacerda. Localizada em uma zona de baixa latitude magnética (-12º), a área apresenta diversas anomalias magnéticas com polaridade invertida indicando a presença de remanência e/ou desmagnetização. A inversão do vetor de magnetização foi aplicada a estes dados uma vez que já mostrou sua efetividade em condições semelhantes. O acesso a um maior poder computacional nos permitiu inverter toda a área com alta resolução (célula de 150x150x75m) resultando em um voxel de 1083X750x44 células. Para evitar artefatos causados pela relação entre o grande espaçamento das linhas (500m) comparado com a baixa altura de voo (100m), a entrada para a inversão foi o canal do banco de dados gerado pela amostragem do grid de 10m de célula, continuado para cima 150m, de maneira a ter uma amostra por célula. No modelo geofísico obtido foi possível identificar as principais feições geológicas e estruturais em superfície, além de possíveis fontes em subsuperfície. Geologicamente, a área de estudo está localizada no sudoeste do Cráton Amazônico onde ele é formado pela junção de terrenos paleo-mesoproterozóicos (1,8 a 1,4 Ga). Os Domínios Tectônicos Jauru (parte central e leste) e Rio Alegre (oeste da área) são predominantes na área. A leste do Domínio Jauru ocorrem o Granodiorito Águas Claras e rochas metavulcano-sedimentares de boa resposta magnética e com ocorrências de anomalias magnéticas com polaridade invertida pouco descritas na literatura, mas bem evidentes no modelo. Já na parte central ocorre a Suíte Intrusiva Santa Helena de baixa resposta magnética. A oeste, o Domínio Jauru limita-se com os domínios Rio Alegre e Paraguá. No limite com o Terreno Rio Alegre o contato se faz por zonas de cisalhamentos dúcteis normais evidenciadas no modelo geofísico por anomalias magnéticas alinhadas segundo direção NW-SE. Nessa região também ocorrem o metaconglomerado da Formação Fortuna, onde estão as ocorrências auríferas, e as rochas metamórficas do Grupo Pontes e Larcerda. No limite com o Terreno Paraguá, extremo sudoeste, sedimentos holocênicos recobrem a região impedindo sua caracterização. O mesmo ocorre nos limites norte e sul do Domínio Rio Alegre, designado como Terreno Rio Alegre e Orógeno Rio Alegre. Apesar dessa extensa cobertura, é possível observar no modelo geofísico uma forte resposta magnética em profundidade indicando uma provável presença do embasamento correspondente aos Terrenos Paraguá e Rio Alegre.

Back to top